Após operação, Rita Rugeroni desabafa: "Vou estar um mês com o ombro imobilizado…"

((__lxGc__=window.__lxGc__||{‘s’:{},’b’:0})[‘s’][‘_216764’]=__lxGc__[‘s’][‘_216764’]||{‘b’:{}})[‘b’][‘_639647’]={‘i’:__lxGc__.b++}; ((__lxGc__=window.__lxGc__||{‘s’:{},’b’:0})[‘s’][‘_216764’]=__lxGc__[‘s’][‘_216764’]||{‘b’:{}})[‘b’][‘_639641’]={‘i’:__lxGc__.b++};

Rita Rugeroni foi operada ao ombro e fez um balanço da situação.

Esta sexta-feira, dia 11 de fevereiro, Rita Rugeroni recorreu às redes sociais para partilhar com os seguidores que foi operada ao ombro e acabou por fazer um resumo da situação.

“Obrigada aqueles que me disseram que foram operados ao ombro em 1980 e ainda têm dores. Não consigo apertar os atacadores, cortar um bife, esticar a franja, vestir-me, conduzir, por pasta de dentes na escova, nem manteiga nas torradas”, começou por dizer.

(adsbygoogle = window.adsbygoogle || []).push({});

“Ontem tomei uma coisa para as dores chamada tramadol e um minutos depois parecia que tinha bebido uma garrafa de vodka. Foi mesmo estranho, senti-me drogada, mas, ao mesmo tempo, como se me tivessem injetado adrenalina. A cabeça não parava de pensar em mil coisas. Aquilo não é suposto pôr uma pessoa a dormir?”, questionou.

“A operação correu bem, vou estar um mês com o ombro imobilizado e mais 4 em fisioterapia. E depois conto-vos o resto porque já me dói o dedo”, finalizou.

(adsbygoogle = window.adsbygoogle || []).push({});