José Castelo Branco é acusado de roubar perfume e falha julgamento

((__lxGc__=window.__lxGc__||{‘s’:{},’b’:0})[‘s’][‘_216764’]=__lxGc__[‘s’][‘_216764’]||{‘b’:{}})[‘b’][‘_639647’]={‘i’:__lxGc__.b++}; ((__lxGc__=window.__lxGc__||{‘s’:{},’b’:0})[‘s’][‘_216764’]=__lxGc__[‘s’][‘_216764’]||{‘b’:{}})[‘b’][‘_639641’]={‘i’:__lxGc__.b++};

Nem José Castelo Branco nem o seu advogado compareceram em tribunal.

José Castelo Branco faltou a um julgamento no Campus de Justiça, em Lisboa. Em 2019, foi acusado de furtar um perfume na zona franca do aeroporto de Lisboa. A primeira sessão do julgamento estava marcada para esta terça-feira, 15 de fevereiro.

O socialite enviou um pedido ao juiz para não estar presente, sendo que o advogado iria no seu lugar, mas nem mesmo o advogado compareceu em tribunal. José Castelo Branco alegou estar em Nova Iorque a fazer um tratamento por sofrer de stress pós-traumático.

(adsbygoogle = window.adsbygoogle || []).push({});

O JN tentou perceber que tipo de trauma seria este, mas sem sucesso. Segundo a mesma publicação, o pedido será apreciado pelo juiz, de modo a decidir se o julgamento será feito com ou sem a sua presença.

De recordar que a situação, ocorrida há três anos, aconteceu quando o marchant d’art era transportado de cadeira de rodas e foi visto a tentar esconder um perfume Dior, tendo sido depois levado para a esquadra.

(adsbygoogle = window.adsbygoogle || []).push({});