De viagem, João Manzarra sofre novo percalço e brinca: "Eu não fumo e apeteceu-me um cigarro…"

((__lxGc__=window.__lxGc__||{‘s’:{},’b’:0})[‘s’][‘_216764’]=__lxGc__[‘s’][‘_216764’]||{‘b’:{}})[‘b’][‘_639647’]={‘i’:__lxGc__.b++}; ((__lxGc__=window.__lxGc__||{‘s’:{},’b’:0})[‘s’][‘_216764’]=__lxGc__[‘s’][‘_216764’]||{‘b’:{}})[‘b’][‘_639641’]={‘i’:__lxGc__.b++};

João Manzarra está a viver uma nova aventura na América do Sul, e revelou os detalhes da sua nova peripécia.

João Manzarra está de viagem pela América do Sul. Depois de visitar o Uruguai, o apresentador rumou à Argentina, onde o caminho tem sido muito atribulado, e cheio de percalços.

Furei um pneu a 55 kms depois de Rio Colorado direção a sul. Cinco horas e trinta da tarde molhadas pela chuva, o pneu esquerdo da mini rodante fura e salto do carro com um esperançoso pneu do carro e macaco. Solto o atrelado do carro e no processo de o levantar, por não ter as rodas calçadas, este descai, o macaco torce e a caravana fica numa posição que torna impossível fazer sozinho qualquer reparação“, começa por contar.

(adsbygoogle = window.adsbygoogle || []).push({});

João Manzarra explica que se deslocou alguns quilómetros, à procura de rede de telemóvel para contactar os mecânicos das redondezas e a assistência, revelando que só conseguiu ajuda ao fim de três horas de “chamadas a cair”.

Finalmente lá me dizem que a assistência pode demorar entre 3 a 8 horas a chegar ao local. Decido deixar o atrelado sozinho na estrada e vou de carro até à vila mais próxima procurar auxílio (…) Combino com o Senhor Luis no local mas infelizmente o macaco que trouxe consigo não cumpria serviço(…) Eu não fumo e de repente apeteceu-me um cigarro“, continua.

(adsbygoogle = window.adsbygoogle || []).push({});

Chegada a assistência de madrugada, tentam colocar o atrelado no reboque, sem sucesso.

A acção era impossível sem causar grandes danos. Tentamos então mudar a roda no local novamente, com novo macaco miserável, mas com a ajuda de pedras, um grelhador que tinha comprado nesse dia e uns mini barrotes de madeira lá se conseguiu levantar o suficiente para trocar o pneu. Foi aí que descobri que o pneu do carro não serve na caravana“, desabafa.

O plano passa a ser deixar a caravana no lugar e levar o pneu furado para remendar. Correu bem, trouxe pneu cheio e o Senhor Luis para me ajudar. A operação correu magnificamente bem mas quando me faço à estrada vejo pelo retrovisor fumo a sair do atrelado“, conta ainda.

João Manzarra revela que “o eixo das rodas torceu e tinha o pneu em contacto com a estrutura”, e que dois homens que vinham atrás de si foram até à cidade procurar auxílio.

No espaço de uma hora aparece Jorge, serralheiro, que faz arranjo provisório no local para levar o atrelado até à sua oficina para me endireitar a situação. 24 horas em missão pneu. E a vosso dia? Como foi?“, terminou.