Jorge Corrula adorava ver certos políticos em 'A Máscara': "Estavam ocupados e sem poder fazer mal…"

((__lxGc__=window.__lxGc__||{‘s’:{},’b’:0})[‘s’][‘_216764’]=__lxGc__[‘s’][‘_216764’]||{‘b’:{}})[‘b’][‘_639647’]={‘i’:__lxGc__.b++}; ((__lxGc__=window.__lxGc__||{‘s’:{},’b’:0})[‘s’][‘_216764’]=__lxGc__[‘s’][‘_216764’]||{‘b’:{}})[‘b’][‘_639641’]={‘i’:__lxGc__.b++};

A terceira edição de ‘A Máscara’, da SIC está prestes a chegar ao fim. Jorge Corrula, um dos investigadores, gostava de ver “personalidades de outros quadrantes” no programa.

Jorge Corrula é um dos investigadores de ‘A Máscara’, da SIC. O ator confessa que adorava ver certos políticos no programa. “Seria bom para toda a gente. Era mais tempo que estava ocupados e sem poder faz mal às pessoas”, afirma à TV Guia.

O programa já vai na terceira edição e o ator garante que não pensa nem um único segundo quando é convidado para fazer parte do painel de investigadores de ‘A Máscara’. “Toda a gente gosta de jogar jogos em família e isso é o que acabamos por fazer ali, mas com extras. É muito engraçado termos de decifrar quem está ali, à nossa frente, mascarado, com a possibilidade de ser alguém tão próximo de nós“, conta.

(adsbygoogle = window.adsbygoogle || []).push({});

Na sua opinião, este é um formato que “deveria existir todos os anos”, mas com personagens ainda mais “extravagantes”. “Gostava de lá ver políticos e pessoas de outros quadrantes, acho que era giro!“.

E revela alguns dos nomes que gostaria de ver por detrás daqueles disfarces: “O João Rendeiro, por exemplo. Esse sim, seria mesmo surpreendente vê-lo ali, já para não falar de que seria um ótimo esconderijo para ele“, atira de forma irónica. Jorge Corrula revela outros nomes:  “O Armando Vara… Quem sabe, o José Sócrates. Acho que seria bom para toda a gente. Era mais tempo que estavam ocupadas e sem poder fazer mal às pessoas.

(adsbygoogle = window.adsbygoogle || []).push({});

A filha do ator, Beatriz, de nove anos, não perde um programa. “A Beatriz adora! Adora! Mas é isso que faz d’A Máscara um formato fascinante. É a oportunidade de todos os telespetadores vestirem a pele de investigadores. Qualquer pessoa, de qualquer idade, se diverte a assistir àquilo. É um jogo muito engraçado e com uma energia muito positiva. Tenho muito orgulho em fazer parte de um projeto como este”, remata Jorge Corrula.