João Soares recorda Maria João Abreu: "Era demasiado generosa, esquecia-se dela…"

((__lxGc__=window.__lxGc__||{‘s’:{},’b’:0})[‘s’][‘_216764’]=__lxGc__[‘s’][‘_216764’]||{‘b’:{}})[‘b’][‘_639647’]={‘i’:__lxGc__.b++}; ((__lxGc__=window.__lxGc__||{‘s’:{},’b’:0})[‘s’][‘_216764’]=__lxGc__[‘s’][‘_216764’]||{‘b’:{}})[‘b’][‘_639641’]={‘i’:__lxGc__.b++};

João Soares, viúvo de Maria João Abreu, esteve à conversa com Manuel Luís Goucha.

Esta sexta-feira, dia 11 de fevereiro, João Soares, viúvo de Maria João Abreu, esteve no programa ‘Goucha’ à conversa com Manuel Luís Goucha sobre a morte da artista.

“Nós conhecemo-nos através de amigos em comum, no dia 1 de agosto, e no dia 1 de setembro demos o nosso primeiro beijo em 2008. E isto acontece nesse mês, encontrámo-nos dois ou três fins de semana em Portimão e o resto foi algumas mensagens, e alguma coisa aconteceu de especial”, começou por recordar.

(adsbygoogle = window.adsbygoogle || []).push({});

“E a cara dela quando cheguei à beira dela, não me era totalmente estranha, mas não fazia a mínima ideia de quem era”, acrescentou.

“Demos o nosso primeiro beijo às quatro da manhã à porta de casa dela e acho que nos apercebemos os dois que o que havia li era especial”, lembrou.

(adsbygoogle = window.adsbygoogle || []).push({});

O músico revelou que Maria João Abreu lhe trouxe sensibilidade, compreensão e um “outro olhar sobre as coisas”. “A João com a maneira de ser que ela tinha, se calhar era demasiado generosa até, esquecia-se dela. A generosidade dela fazia com que ela se pusesse para trás em tudo”, confidenciou.

Segundo o companheiro, Maria João Abreu não dava importância ao reconhecimento, porque para artista o importante era fazer aquilo que gostava. “A fama e tudo o que ela traz consigo, o bom e o mau, ela não se preocupava. Nunca foi tema a fama que a João tinha…”, explicou.